Eu Anuncio a Paz

Vivemos dias estranhos. O mundo parece dividido em “Nós X Eles”. As relações humanas vêm se deteriorando desde que fomos expulsos do Éden. Mas os efeitos dissonantes nas relações estão atingindo níveis assustadores. Recentemente, uma cena chamou a atenção pela desumanização das relações: enquanto uma favela ardia em chamas, pessoas passavam com seus carros e buzinavam comemorando como se seu time de futebol tivesse sido campeão.

É neste cenário de devastação relacional que Deus convoca seus filhos e filhas para se tornarem agentes ativos na construção da Cultura da Paz (Mt 5.9) e a andarem na contramão da cultura da violência. Por isso, os batistas baianos estão declarando: “EU ANUNCIO A PAZ”.

O anúncio não se faz apenas com palavras, mas com prática diária, semeando em silêncio, caminhando de coração aberto na direção do outro e no acolhimento. A Paz que anunciamos/vivemos é nutrida de amor, fé e muita humildade. A paz a ser anunciada deve ser encarnada em ações simples como uma saudação sincera, no cuidado amoroso do outro. Mas o anúncio poderá exigir sacrifícios maiores (Rm 12.18-21).

A paz que anunciamos é aquela que o mundo carece (Jo 14.27). Jesus, Aquele que nos reconciliou com o Pai (Rm 5.1), o Príncipe da Paz (Isaías 9.6), que reconciliou, por meio do seu sangue, todas as coisas (Cl 1.20), nos deu o exemplo (Jo 13.13) para sermos também semeadores da PAZ (Jo 13.15).

O desafio é enorme, é preciso que os filhos e filhas de Deus, os pacificadores, estejam plantados estrategicamente onde houver relações humanas e sua presença será sempre mais necessária onde a violência relacional se estabeleceu. Anunciar a paz é mostrar, na prática, uma outra lógica de vida possível. É mostrar na prática o que Jesus quis dizer quando afirmou: “ouvistes o que foi dito: Olho por olho, e dente por dente. Eu, porém, vos digo: ... a qualquer que te ferir na face direita, oferece também a outra”. (Mt 5.38-39)

O lema dos pacificadores no meio de uma cultura de violência é: EU ANUNCIO A PAZ!

Pr. José Roberto Amorim Lima
Secretário Geral Interino da Convenção Batista Baiana